Diálogo: Essencial no Amor

Ao contrário do que se imagina o fato das pessoas serem diferentes não inviabiliza uma relação, mas sim pode contribuir em seu aprofundamento e amadurecimento. Saber dizer o que se sente é fundamental.

O início de um relacionamento, em geral, é algo bastante agradável e feliz. É tão excitante quanto descobrir algo novo e repleto de belezas. Quando apaixonados parece que andamos nas nuvens, flutuando pelo ar. O nosso olhar é desbravador e o prazer que sentimos é como em uma nova aventura: doce e intensa. Fazemos "vistas grossas" para as diferenças e hábitos do outro que muitas vezes, posteriormente, são vistos como defeitos. Já as qualidades do outro são multiplicadas e ele parece-nos perfeito assim também como a nós mesmos quando nos olhamos refletidos em seu olhar.

Com o tempo e a convivência os nossos pés se aproximam do chão e aquilo que inicialmente era perfeito começa a ganhar contornos humanos. Aparecem as diferenças entre os parceiros. Inicialmente as diferenças assustam e até nos sentimos enganados como se o outro tivesse omitido tais características.

Às vezes as pessoas tentam voltar a ter o mesmo olhar que antes, para novamente sentir o encantamento, mas a humanidade do outro (e a nossa mesmo) não é tolerada. Este é o momento em que a maioria dos relacionamentos tem fim. Por outro lado, na minha opinião aqui pode ser o "pulo do gato": aceitar o outro inteiro e humano é também aceitarmos a nós mesmos. Amar a imperfeição e diferenças do outro e de si mesmo é puro amor.

Na experiência que tenho tido no consultório nos atendimentos psicoterápicos individuais e de casais tenho observado que a maioria das pessoas quando sentem-se magoadas, entristecidas ou desrespeitadas pelo parceiro ou parceira têm a tendência de se fechar e não tocar no assunto, de não falar da situação em conflito. Como se falar do conflito ou de sentimentos negativos pudesse destruir a relação. Porém observo que é justamente esta atitude que destrói a relação. Deixar algum assunto dentro de uma relação virar um tabu e não se permitir falar faz as pessoas e as relações adoecerem devagar. É como aquela sujeira que vamos empurrando para debaixo do tapete, tentando acreditar que está tudo limpo. Chega uma hora que a sujeira aparece e o pozinho de antes transforma-se em algo bem maior e forte.

Também é comum as pessoas confundirem diálogo com acusações, "lavar roupa suja", desrespeito. Há pessoas e casais que acham que têm que falar tudo que sentem para o outro sem nenhum filtro, só pensando em si mesmas e em seu próprio bem-estar. Esta postura é agressiva demais, o relacionamento se torna hostil e superficial.

Quando vamos falar algo para alguém que amamos e respeitamos é para nos sentirmos melhor e para que a relação evolua e não para destruí-la ou agirmos de forma infantil, acreditando que o outro deve só nos dar prazer e satisfação. A complexidade do amor tem caminho diferente da lógica individualista, lucrativa e consumista.

Uma maneira de falarmos para o outro, de forma sincera, sobre uma situação conflitiva ou que traz sentimentos desagradáveis é utilizando um fato ou acontecimento vivido por ambos e expressando, de forma clara como aquilo lhe afetou. Assim, uma maneira de falamos para o outro sobre uma situação conflitiva ou sentimento desagradável, de forma sincera, pode ser contando para ele como nos sentimos frente a determinada atitude dele ou situação (lembra! na paixão parecia que ele conhecia tudo de você, mas agora você tem que contar para ele saber). Por exemplo: fiquei sentindo-me desvalorizada depois que você fez aquela brincadeira na frente de seus amigos. Senti-me exposta.

Observe que eu só posso falar como me senti depois de olhar para dentro de mim e achar o nome do sentimento. Isto traz para você auto-conhecimento e quando você fala para o outro sobre o que sentiu ele também passa a te conhecer melhor e assim os dois crescem e a relação também.

Os relacionamentos são altamente complexos, assim também como o que se passa em nosso interior, por isso temos que nos auto-observar e dialogar muito. Se somos complexos os outros também o são. Assim é trabalhoso, mas também encantador poder aprofundar uma relação.

Geralmente um parceiro respeitoso vai escutar e procurar entender e não repetir a atitude que teve. Note a diferença: geralmente ou não falamos nada e alimentamos um sentimento negativo para com o outro e para nós mesmos, que vai se somando a novas situações e de repente explode, assusta e machuca, pois fica como em uma panela de pressão. Outra atitude comum é acusarmos o outro pelo que fez sem colocarmos o nosso sentimento. O outro tende a se fechar porque se sente atacado e também passa a atacar para se defender. Esta atitude faz com que os parceiros não se escutem ou entedam.

Parece difícil ou confuso? Então tente fazer com você; treine observar os sentimentos, o que na situação te fez sentir assim e fale para o outro, para que ele conheça o que te machuca e que evite repetir. Assim você se conhecerá mais, o outro também e a relação vai crecendo e se aprofundando. Geralmente se um dos parceiros começa a fazer isto o outro aos poucos também aprende. Experimente!

Autor(a)

Salete Monteiro Amador

Psicóloga formada pela PUC/SP, Pós graduada em Saúde Coletiva pela FUNDAP. É Terapeuta e Supervisora de Terapia Comunitária. Editora do Site Ser Melhor e Assessora Técnica em Saúde Pública.

Contato

salete_psi@yahoo.com.br
@sermelhor
https://www.facebook.com/sitesermelhor


Veja Também