Considerações sobre a verdade (A eterna procura, o eterno desencontro)

Existirá a verdade absoluta ou esta é uma concepção pessoal? Assunto sempre polêmico e por muitos tratado com ortodoxia que procuro trazer para discussão, a partir de uma visão pela física.

"Como posso saber se o que vejo desta janela é de fato a paisagem que vejo?... Há muito, finjo acreditar em coisas que o homem teima em trocar pela fragilidade do vidro. Deus existe?... Deus não existe?... Ambas as coisas são verdade ao mesmo tempo. Pergunto-me e pergunto-lhe se a verdade existe mais que um milésimo de segundo. Nada é eterno. A eternidade passa depressa como a ciência."

A Verdade - Cruzeiro Seixas

Não é simples tratar do tema Verdade

Quando decidi escrever sobre a Verdade, idéia nada inovadora, pensei que sentaria confortavelmente em frente ao computador e em questão de quarenta ou cinquenta minutos estaria tudo definido e escrito, já que imaginava possuir uma razoável idéia deste conceito.

Obviamente que "quebrei a cara", pois falar de um assunto tão cheio de nuances não me permitiria nunca fazer as coisas assim, de uma hora para a outra. Agora, três meses depois, procuro concluir definitivamente o que iniciei (mas não o assunto, já que levarei uma vida inteira redescobrindo-o), ciente de que meu objetivo não será de maneira alguma a conclusão, nem tão pouco apresentar uma mensagem messiânica, mas sim fazer refletir um pouco a mim e a quem me lê.

Não se espantem com o fato de um físico escrever sobre a verdade, deveriam deixar isto a cargo de um filósofo, principalmente porque minha classe tem uma fama peculiar de se considerar detentora do conhecimento dos segredos da natureza, de possuir a verdade absoluta.

Muito já foi dito sobre a Verdade, seja na Física ou em outras ciência, seja em livros, revistas, filmes, templos, etc. Sei que corro um grande risco aqui e agora, risco de cair no "lugar comum", em repetir o que já se disse várias e várias vezes, mas tudo bem, meu objetivo neste texto é aprofundar e discutir o significado do que é a Verdade, que tanto já foi bem e mal utilizada.


Necessitamos compreender o significado do conceito de Verdade

A busca pela verdade já é tema antigo na humanidade, busca esta que gerou mitos, religiões, ciências, assim como a crença em sua posse resultou em incontáveis guerras, conflitos e copos de cerveja consumidos. Uma vontade inerente ao homem é sua causa e uma pergunta a ser feita seria: "Será que alguma criatura já conseguiu se aproximar, nem que minimamente, da verdade?" Talvez esta seja uma tarefa mais difícil do que possamos imaginar, quem sabe até impossível, mas a resposta poderia ser: "Depende do que se chama ou do que se considera como a Verdade".

Começamos verificando no nosso bom e velho dicionário o significado desta palavra.

"Verdade: 1. Conformidade com o real; exatidão. 2. Coisa verdadeira. 3. Princípio certo."1

Bom, o dicionário nos dá uma primeira pista de seu significado, mas creio que ainda não é o suficiente.

Uma definição muito interessante pode ser extraída de uma área que, aparentemente, não teria conexão alguma com o assunto, a teoria de erros, ou melhor dizendo, a metodologia utilizada para se medir as coisas e determinar o quanto nós erramos.

"Definição de Valor verdadeiro Valor consistente com a definição de uma dada grandeza específica.

O valor verdadeiro de uma grandeza é o valor que seria obtido de uma medição perfeita e a determinação do mesmo pode ser entendida como o objetivo final da medição. Entretanto, deve ser observado que o valor verdadeiro é por natureza, indeterminado. "2

O que quer dizer a definição acima? Bom ela nos diz que, por exemplo, uma tábua de madeira possui um tamanho preciso, real, já que ela existe, porém se pegarmos uma régua para medí-la nós nunca descobriremos esta medida real da tábua, podemos saber assim, mais ou menos, mas a medida exata, não! Triste isto, não é? Para alguns mais do que para outros. Apesar de a tábua estar em nossas mãos, aqui, é impossível sabermos seu tamanho! Podemos assim dizer que o tamanho da tábua é a sua Verdade, ou uma delas. Mas como pode ser isto? Como não podemos medí-la? Não basta utilizar uma régua muito boa?

Neste exemplo a obtenção do tamanho da tábua, ou melhor, descobrir seu verdadeiro tamanho, não é possível porque o próprio ato de realizar a medição com nossa régua já é falha! Não temos a capacidade para tal, seja por problemas técnicos/físicos, seja por problemas de princípio. Nossa régua e/ou nossa forma de medir sempre terá um errinho aqui, outro ali...

As verdades, que tanto procuramos em nossas vidas, estão de certa forma relacionadas também com esta indeterminação, este desconhecimento dos princípios básico de como encontrá-la, de como reconhecê-la e até de como encará-la quando não nos agrada. Mas se não podemos encontrar a verdade absoluta como fazemos? Nós precisamos de verdades! Eu preciso dela desesperadamente nem que para dizer que é minha, só minha! Vivemos para encontrá-las.

Bom, assim como na teoria dos erros, acredito na existência de verdades únicas, absolutas, mas não creio que temos as ferramentas ou a capacidade para encontrá-las ou reconhecê-las caso batessemos com o nariz nelas. O que posso imaginar é chegarmos o mais próximo possível.

A verdade, ou uma verdade, pode ser muito particular de uma certa pessoa, em um certo contexto de sua vida ou do que aprendeu com seus pais, professores, mestres, etc. além de poder ser uma concepção ou visão adotada por uma religião, a verdade dos cristãos, a dos muçulmanos, a dos judeus, budistas e etc. Então a verdade pode ser verdadeiramente "maleável", adaptável, segundo nossos pré ou pós conceitos? Pela experiência cotidiana, posso dizer que sim. Bom, sempre existem aquelas pessoas que acreditam piamente que suas verdades são absolutas, seja por preguiça ou por orgulho, e é isto que tento "demonstrar" de meu ponto de vista, que as verdades as quais conseguimos enxergar, são relativas. Cito aqui uma passagem do Tao Te King chinês:

"Aquele que pensa que sabe, não sabe. Aquele que sabe que não sabe, sabe. Pois, neste caso, saber é não saber. E não saber é saber"

Prefiro fazer uma cisão aqui, adotando duas linhas diferentes, ou melhor, dois rótulos diferentes. À palavra Verdade, deixo uma concepção ou significado mais "aberto" e não discutirei neste momento. Prefiro adotar a palavra Fato para o que usualmente costumamos a utilizar também como um dos significados da palavra Verdade e discutir um pouco, pelo menos do ponto de vista da física, seu significado (calma, não vai ter equações nem números).


O Fato segundo uma análise física

Imagine-se em uma bela praia, com o sol a pino e as águas claras batendo em seus pés descalços, e aquela água friazinha, que leva e traz areia e que acaricia seu pé, mas você sente que algo mais pesado do que simplesmente areia bate em seus pés. Veja só, é uma singela concha, trazida pelo mar diretamente a você! Então se curva para pegá-la e a examina, mas em um ato de puro reflexo, você a larga repentinamente, pois percebe que dentro dela existe algum ser vivo, um bicho para ser mais direto! A concha cai na areia grossa da praia e dali a alguns instantes a onda retorna e a carrega consigo de volta para seu grande lar.

E então, que papo furado é este de concha e ondas?

Bom, você pega a concha, e a ergue a aproximadamente um metro e setenta centímentos (vamos dizer que você tem uma estatura média), então a deixa cair desta altura (porque se espantou) ao nível do mar e com as condições normais de temperatura e pressão (porque você está na praia onde a pressão é de uma atmosfera). A concha adquire uma aceleração e segue em direção ao ponto em que havia saído (ela cai retinha), devido ao campo gravitacinonal do planeta (a gravidade puxa a conha e a concha puxa a terra). Ai vem o fato! A concha cai!

Ridículo dizer isto, claro que a concha cai! Isto é um fato. Ela cai independentemente se você é japonês, alemão ou brasileiro, se fala quetchua, espanhol ou inglês, se sua religião é muçulmana, católica ou pagã e, principalmente, se você está em Maresias ou em Changai. O fato é inalterado por qualquer que seja seu ponto de vista (mesmo de cabeça para baixo): os dois corpos se juntaram novamente (terra e concha).

Mas então, onde entra a história da verdade neste contexto todo? Acho que você já captou, não? Poderia ser o fato da união entre os dois corpos o que chamei lá em cima de "Verdade Absoluta" ou algo muito próximo?

Mas qual a explicação para isto ? Bom, uma explicação é que a terra atrai para seu centro tudo que existe a sua volta, outra explicação é que toda matéria possui uma massa, e esta deforma o espaço em uma região em torno de sí que cai com o quadrado da distância. Mais uma explicação seria que a mãe terra chama de volta para ela tudo o que dela antes fazia parte ou talvez são os pequenos anjos invisíveis ou elfos, que a carregam de volta para seu mundo original.

Então, qual das explicações é a verdadeira? Todas, de uma maneira ou de outra, fazem sentido, principalmente se você possui conceitos ou pré conceitos, estabelecidos ou aprendidos. Como dizer que uma explicação é verdadeira em detrimento de outra ? Todas explicam um fato!


Será a verdade uma concepção pessoal?

Então eis que surge a razão pela qual escrevi este texto:
Fato X Verdade

E duas questões para refletir:
Um fato pode ser refutado?
Uma verdade pode ser absoluta?

É neste momento que vejo todas aquelas teorias, ditados e textos escritos segundo a voz da verdade caírem por terra como frutos apodrecidos. A cada dia que leio, estudo, observo e tento montar em minha mente o quebra cabeças de "minha verdade" particular, mais percebo o quanto é importante enxergar as várias facetas dos fatos a fim de formular a melhor e mais coerente verdade para mim, a mais absoluta que consiga, mesmo sabendo que neste campo não existe a "absolutez", já que a régua com que meço as minhas verdades é meio tortinha.

Todos tentamos, a todo momento, criar ou montar nossas verdades, mas estas estão intimamente ligadas a quem somos, o que aprendemos e a visão ou interpretação que damos ao mundo. Resumindo, um beco sem saída. É neste ponto que lembro e procuro seguir um ensinamento do grande Eric Albuquerque, membro da famosa Vanguarda Putrefágica. Ele costuma dizer:

"Como decidir pelo melhor caminho dentre vários que se apresentam a sua frente? Em princípio, para se tomar sempre a decisão correta, seria necessário possuir a informação de TUDO que envolve TODOS os caminhos, porém como isto é improvável, o que nos resta fazer é juntar o máximo de informação que podemos para tomar a decisão."

Isto cai como uma luva para nós. Como montar nossa verdade de forma que os fatos "casem" da melhor maneira possível com esta? Olhar para todos os lados é uma boa estratégia, principalmente se conseguir fazer isto do alto de uma colina!

Aproveitando para concluir, cito Joseph Campbell e sua fantástica análise do "Grande Selo dos Estados Unidos":

"Localizando-se na parte de baixo da pirâmide, você estará de um lado ou do outro. Mas, quando você chega ao topo, os pontos se reúnem e então o olho de Deus se abre."3

Pensem um pouco sobre esta frase, esqueçam por um momento seus pré conceitos e procurem entender a importância do que ele diz nesta singela frase. Apesar da palavra "Deus" ser citada, procure não interpretar com algo religioso.

Nada do que expus aqui pode ser verdade, muito menos a verdade absoluta, mas acredito que a minha verdade encontrará eco na verdade de outros, da mesma forma que será rejeitada pela verdade de muitos. O importante é ter a ciência de que estamos em um terreno delicado e de que não somos os donos da verdade, já que a fábrica das réguas que utilizamos para medir nossas verdades cria modelos um pouco diferentes para cada dono!

Depois de compreendermos a essência da palavra Verdade, seja pela introspecção ou pela argumentação, poderemos passar a enfrentar as demais mazelas do pensamento humano. Reconheço que muitas vezes a busca pelo entendimento dos fatos e significados mais básicos pode ser muito chato, porém, em inúmeras vezes, é justamente nestes detalhes fundamentais que erramos enormemente nosso alvo, seja por acharmos inútil a discussão de coisas tão banais, seja porque pensamos já as compreender. Alguém poderia me explicar como erguer uma boa casa, durável e confortável, sem saber como fazer um bom alicerce? E é justamente nestes alicertes que costumamos a ter problemas, ou melhor, que a casa desmorona. Para quem quer viver em um castelo, trate de construir alicerces dignos da atura das torres e do peso das pedras que utilizará (metáforas gente, metáforas).

Referência(s)

- Minidicionario. Aurélio 1ª edição Ed. Nova Fronteira
- Vuolo, José Henrique - Fundamentos da teoria dos erros, São Paulo, Ed. Edgard Blücher LTDA
- Campbell, Joseph - O Poder do Mito, São Paulo, Ed. Palas Athena, 2003.

Autor(a)

Daniel Pereira

Formado em Física / Astrofísica pela Universidade de São Paulo. Fez cursos nas faculdades de Filosofia, Geologia e Matemática na Universidade de São Paulo. Fez cursos na área de artes plásticas e história da arte no Centro Cultural São Paulo. Também frequentou o curso de Introdução a Psicanálise pelo Instituto Sedes Sapientiae. Atua na área de tecnologia e web desenvolvendo soluções voltadas para várias áreas do conhecimento, incluindo pesquisa com redes sociais. Atualmente atua para um grande portal de notícias.

Contato

danielusp@bol.com.br
@sermelhor
https://www.facebook.com/sitesermelhor


Veja Também