Ser Melhor

Ser Melhor

Conquiste a sua estrela



Filmes e Cinema

Como 14 clássicos da ficção científica veem o futuro

A ficção científica vai muito além de tentar prever o futuro ou como mero entretenimento, ela envolve também olhar o presente e o passado e entender como a sociedade evolui, seja esteticamente, eticamente ou tecnologicamente

A imaginação permite antever coisas que ainda não chegaram. Isso parece óbvio mas conforme nos detemos a pensar no assunto as coisas passam a não ser tão obvias assim pois pensar no futuro envolve, necessariamente, analisar o presente e o passado e como a sociedade evoluiu. O escritor Julio Verne, por exemplo, imaginou um submarino, um helicóptero, o cinema falado e um foguete espacial, tudo isso no século XIX porém a forma como ele os descreve não deixa de estar intimamente ligado com a própria época em que viveu, com as descobertas tecnológicas e científicas a que tinha conhecimento e a própria sociedade.

A ficção científica pode ser vista, por exemplo, do ponto de vista do entretenimento mas existem outros aspectos muito mais profundos e são estes aspectos que gostaria de ressaltar, aspectos que vão do repensar a função do homem no universo, questionamentos sobre a influência da tecnologias na vida das pessoas, questões éticas, desafios para a humanidade, filosofia, estética e etc.

Da literatura para as telas do cinema ou da televisão, além dos conceitos imaginados pelo escritor ou roteirista, temos ainda o desafio de criar imagens e sons que possam convencer o espectador, ou no mínimo colocá-lo frente a uma nova perspectiva, a novos conceitos, envolvê-lo na trama. É aí que está o desafio do cinema na ficção científica como arte visual e sonora.

Imaginar o futuro estando em um determinado ponto do presente é sempre um desafio, especialmente para o cinema já que podemos ver as influências do presente, do agora, em que a obra é realizada. Para entender isso basta assistir a um filme dos anos 30 e um dos anos 90. Mesmo falando de futuros próximos serão nítidas as diferenças estéticas e conceituais (mobiliário, roupas, penteados, músicas etc.), coisas que poderiam passar despercebido em um livro mas que forçosamente aparecem nas telas. Porém a ideia não é criticar o que está certo ou errado, o que previu mais acertadamente ou não o que virá mas sim perceber como as gerações influenciam na maneira como imaginamos o futuro. Por este ponto de vista o cinema de ficção científica passa para um outro patamar que é a compreensão da própria sociedade e de como ela se enxerga de maneiras diferentes com o passar do tempo.

O cinema de ficção científica também é uma forma de observar os temas importantes para a sociedade numa determinada época e a busca por uma solução ou pelo menos uma tentativa de prepara-se para o que poderá vir. A tecnologia, os robôs, a inteligencia artificial roubarão nossos empregos? A engenharia genética e o controle social criarão massas de escravos? O ser humano perderá sua função?

Sendo assim listei 14 clássicos para pensar e repensar o passado, o presente e o futuro, seja esteticamente, seja conceitualmente e como ambos aumentaram, mantiveram ou diminuíram sua relevância. A lista foi baseada na mostra "O cinema vê o futuro" realizada em 2006 no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo.

1984

Inglaterra/1984/113 min/Cor/

Direção e Roteiro: Michael Radford (baseado no livro de George Orwell, 1984)

Num futuro distópico o Grande Irmão tem câmeras instaladas em todas as casas e controla a vida dos cidadãos membros do partido que comanda o regime. Um homem que trabalha no ministério da verdade, cuja função é alterar os registros históricos, se apaixona e tenta obter um pouco de privacidade. A consequência disso é uma luta desigual contra o autoritarismo.

O filme, e o livro, são absolutamente atuais já que o contexto em que vivemos de Internet, redes sociais e vigilância eletrônica através de drones e câmeras de segurança em todos os lugares. Toda essa estrutura sequestra a liberdade das pessoas dando às instituições do estado a possibilidade da vigilância de seus cidadãos com a desculpa da segurança.

Alphaville

França, Itália/1965/99 min/Preto e Branco

Direção e Roteiro: Jean-Luc Godard

Um agente secreto é enviado para investigar o poder de um super-computador na cidade futurista de Alphaville, onde os habitantes são controlados, poetas são proibidos e externar emoções pode ser punido com a morte. Um clássico complexo e repleto de metáforas.

THX 1138

EUA/1971/86 min/Cor

Direção: George Lucas

Numa sociedade futurista, as relações entre homens e mulheres são proibidas e rigorosamente controladas por medicamentos. Mas um casal para de tomar tais remédios, se apaixona, e passa a ser visto como uma ameaça à sociedade.

Metrópolis

Alemanha/1927/96 min/Preto e Branco

Direção: Fritz Lang

O herdeiro de um poderoso industrial apaixona-se por uma operária, mas um cientista planeja transformá-la em um androide para incitar a classe trabalhadora à rebelião. A classe oprimida vive em cidades nos subsolos, um análogo às periferias atuais.

O visual e os efeitos do filme foram revolucionários para a época e inspirou o visual de filmes como Blade Runner.

Delicatessen

França/1991/99 min/Cor

Direção: Marc Caro, Jean-Pierre Jeunet

Comédia ambientada num futuro pós-apocalíptico. Moradores de um estranho prédio utilizam carne do açougue que fica no andar térreo. Mas essa carne pode ter procedência estranha. Surrealismo e humor negro são os destaques de um dos filmes mais originais do gênero.

Blade Runner

EUA/1982/117 min/Cor

Direção: Ridley Scott (baseado no livro de Philip K. Dick)

Ambientado numa Los Angeles futurista é a história de Rick Deckard, um caçador de replicantes - humanos criados a partir de engenharia genética para servirem como escravos em colônias fora da terra mas com tempo de vida reduzido.

Alguns destes replicantes fogem de uma destas colônias e chegam a terra, onde é proibida a presença dos mesmos, com o objetivo de procurar seu criador, Eldon Tyrell, dono da empresa que os criou. Deckard é selecionado para caçar e 'aposentar' (matar) os replicantes fugitivos.

Um filme considerado noir mas ambientado no futuro e que traz a discussão da segregação racial

The day after

EUA/1983/126 min/Cor

Direção: Nicholas Meyer

Lançado no auge da corrida armamentista, quando os Estados Unidos e a antiga União Soviética disputavam a supremacia na quantidade de armas atômicas, o filme é ambientado num futuro distópico mas possível, o futuro da humanidade na luta para sobreviver e se reagrupar depois da catástrofe de uma guerra nuclear.

Things to come

Inglaterra/1936/100 min/Preto e Branco

Direção: William Cameron Menzies (Roteiro baseado na obra de H.G. Wells)

Feito em 1936, narra a história de uma guerra que ocorre no futuro próximo, em 1940, e se estende até 2036, quando os soldados que nasceram depois do início do conflito nem sabem porque a guerra começou. Em meio a um mundo abalado pela primeira guerra o diretor William Menzies faz um filme pacifista.

Robocop

EUA/1987/102 min/Cor

Direção: Paul Verhoeven

Num futuro próximo, onde as forças policiais da cidade de Detroit são privatizadas, uma experiência com um policial gravemente ferido e quase morto o transforma em um ciborgue programado para combater o crime. Porém o policial-ciborgue passa a ser atormentado por fragmentos de memória e resolve investigar quem realmente era.

O filme, preâmbulo de uma série para TV, é uma releitura da história de Frankenstein na era da globalização e do consumo em massa.

Jornada nas estrelas - The Man Trap / Charlie X

EUA/1966/47 min cada episódio/Cor

Direção: Marc Daniels

A série revolucionaria criou, em plena guerra fria, uma astronave tripulada por membros de diversos países, inclusive Estados Unidos e União Soviética e que tinha por missão explorar novos mundos de maneira pacífica.

O design visual da série é inovador mesmo para os dias atuais.

Fahrenheit 451

Inglaterra/1966/112 min/Cor

Direção: François Truffaut

Num futuro próximo os livros são proibidos e a função dos bombeiros, ao invés de apagar incêndios, é de localizar e queimar todos os que restam. Mas um bombeiro secretamente pega um destes livros que seriam queimados para ler e se apaixona pela literatura.

Um filme libertário e que possui influência nos fatos que ocorreriam dois anos de pois, o movimento de 1968 nas ruas de Paris.

Gattaca

EUA/1997/101 min/Cor

Direção: Andrew Niccol

Numa sociedade elitista em que só homens geneticamente puros podem ter ascensão social, um homem comum sonha em ser astronauta. Para tanto cria um intricado plano para driblar o rígido controle e atingir seu objetivo.

O quinto elemento

França/1997/126 min/Cor

Direção: Luc Besson

No século 23 um motorista de táxi de Nova York precisa encontrar e proteger o ultimo elemento de uma combinação que, se reunida, pode salvar Terra de um ser de outra galáxia.

O filme mistura drama e comédia mas o grande atrativo é seu visual.

Solaris

URSS/1972/165 min/Cor

Direção: Andrei Tarkovsky (Baseado na obra de Stanislaw Lem)

Um dos filmes mais aclamados de Tarkovsky e seguramente o mais complexo. Estranhos fenômenos sobrenaturais acontecem na estação espacial que orbita a planeta Solaris. Apesar de se ambientar no espaço o filme pode ser visto como uma viagem ao interior da mente humana.

Uma versão americana foi lançada em 2002 por Steven Soderbergh



Veja Também

Clube da Luta

Baseado no livro de Chuck Palahniuk Clube da Luta traz uma visão completamente diferente de tudo que você já viu sobre a sociedade e a mente humana.

O escafandro e a borboleta - será que se vê melhor com dois olhos?