A pequena Era do Gelo na Europa e as chuvas no Brasil. Como estes eventos climáticos se relacionam?

Registros isotópicos obtidos em cavernas revelam como variou a distribuição de chuvas no país durante mudanças climáticas globais que afetaram a Europa na Idade Média


A Europa viveu entre 1500 e 1850 o que foi chamado de Pequena Era do Gelo que se caracterizou por uma baixa nas temperaturas médias. Mas como esse evento climático afetou a América do Sul?

Um novo estudo foi feito a partir da análise de rochas de cavernas em Mato Grosso do Sul e em Goiás para tentar investigar isso. Concluiu-se que nos séculos 17 e 18, o clima do sudoeste do Brasil era mais úmido que o atual porém o do Nordeste era mais seco. Os mesmos registros de cavernas brasileiras revelaram que, entre os anos 900 e 1100, durante a chamada Anomalia Climática Medieval onde as temperaturas eram mais altas no hemisfério norte o clima era mais seco no Brasil.

Segundo o geólogo e professor Francisco William Cruz, um dos autores do estudo: Trabalhamos em diversas escalas de tempo. Há estudos que investigam o paleoclima há dezenas ou centenas de milhares de anos. No novo estudo, investigamos alterações climáticas durante os últimos dois milênios.

Trata-se de uma das primeiras evidências a constatar uma relação entre as mudanças climáticas durante a Pequena Era do Gelo e a Anomalia Climática Medieval no hemisfério Norte e alterações no padrão de chuvas sobre a América do Sul.

Referência:

Mais informações na matéria de Peter Moon - Agência FAPESP

Mais notícias

A bioenergia e a transição da energia limpa mundial

Conclusão é de relatório científico sobre bioenergia e sustentabilidade na América Latina e África. Documento foi lançado em evento na sede da FAPESP e pode ser acessado pela internet

View details »

2017 foi o primeiro ano em que a energia solar gerou mais eletricidade do que o uso de petróleo, carvão e gás somados

O setor de energia solar cresceu 18% em relação ao ano anterior. A China foi a maior investidora.

View details »