Praça do Ciclista, na Avenida Paulista - Foto de Willian Cruz
Praça do Ciclista, na Avenida Paulista - Foto de Willian Cruz

As ciclovias em São Paulo incentivam a adoção da bicicleta como meio de transporte

Estudo feito por pesquisadores da USP apontou que morar perto de ciclovias e ciclofaixas aumentou em 154% a chance de usar a bicicleta como meio de transporte


O senso comum diz que para justificar a construção de ciclovias é necessário que exista previamente uma massa de pessoas utilizando bicicletas com meio de transporte. Porém pesquisas pelo mundo mostram exatamente o contrário, ou seja, que para incentivar as pessoas a trocar o carro ou mesmo o transporte público pela bicicleta é necessário que já existam ciclovias disponíveis. Isso é verdade também para o Brasil.

Pesquisadores da USP em parceria com a Universidade de Melbourne, na Austrália, usaram dados do Inquérito de Saúde de São Paulo (ISA) de 2015, em colaboração com a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo para a pesquisa sobre o uso da bicicleta no meio urbano. Os dados mostram que moradores de áreas próximas às ciclovias (até 500 metros) têm a chance aumentada de usar a bicicleta como meio de transporte em 154%. Quem mora perto de estações de trem ou metrô (até 1.500 metros de distância), tem chance de 107% a mais, independentemente de fatores como sexo, idade, nível educacional ou bairro, ou seja, a lógica é contrária ao que inicialmente se pensava. Em resumo: construa que eles virão.

Segundo o professor Alex Florindo A grande discussão é saber quanto a ciclovia pode contribuir para que as pessoas usem mais a bicicleta. Na época que tivemos uma política de construção de ciclovias em São Paulo, nos últimos três anos, muito se criticou que ninguém as estava usando. Esse é um pensamento imediatista. Nosso estudo reforça que primeiro é preciso garantir o espaço, principalmente em uma cidade como São Paulo que tem um trânsito tão violento e capaz de inibir o uso da bicicleta

A pesquisa também indica que ainda é baixa a adesão à "magrela", pelo menos na cidade de São Paulo onde apenas 5,1% da população de adultos as utiliza para se locomover pela cidade. Se compararmos com a média nacional de 13,3% ou mesmo com cidades como Vitória (8,8%) e Recife (16,6%) a maior cidade do país ainda tem muito o que evoluir. Na Holanda o índice de adultos que utilizam a bicicleta para o transporte é de 27%. Para os pesquisadores é necessária uma contínua campanha de incentivo para que a adesão seja maior.

Mais informações na matéria de Maria Fernanda Ziegler | Agência FAPESP

Mais notícias

A bioenergia e a transição da energia limpa mundial

Conclusão é de relatório científico sobre bioenergia e sustentabilidade na América Latina e África. Documento foi lançado em evento na sede da FAPESP e pode ser acessado pela internet

View details »

2017 foi o primeiro ano em que a energia solar gerou mais eletricidade do que o uso de petróleo, carvão e gás somados

O setor de energia solar cresceu 18% em relação ao ano anterior. A China foi a maior investidora.

View details »