Bioenergia, como o etanol brasileiro, será importante para enfrentar mudanças climáticas globais

Avaliação foi feita por participantes de mesa-redonda sobre o papel das fontes renováveis de energia no desenvolvimento, durante a 5ª Conferência Regional sobre Mudanças Climáticas Globais


Segundo os participantes de uma mesa redonda na 5ª Conferência Regional sobre Mudanças Climáticas Globais realizada em 05/06/2018 o etanol brasileiro (popularmente conhecido como álcool para veículos) será essencial para enfrentar as mudanças climáticas globais. A bioenergia poderá ser responsável por um quarto da energia mundial até 2050 promovendo inúmeros benefícios econômicos, sociais e ambientais como a diminuição da emissão dos gases que promovem o efeito estufa.

Segundo o professor do Instituto de Biociências da USP Marcos Buckeridge O etanol brasileiro representa um exemplo incrível de articulação de diversos setores da sociedade, incluindo empresas, governo e cientistas, que conseguiram desenvolver um sistema de produção de uma energia renovável. Ainda segundo ele Esse sistema foi e continua sendo aperfeiçoado, mas não existe uma coordenação no país que estabeleça que o desenvolvimento tecnológico do etanol brasileiro é prioritário e possibilite aumentar a participação dele na matriz energética brasileira.

A professora Gláucia Mendes Souza, do IB-USP e membro da coordenação do BIOEN lembrou que: O Acordo Climático de Paris colocou a bioenergia como essencial para reduzir as emissões de gases de efeito estufa no mundo. Sem bioenergia não será possível caminhar rumo a uma economia de baixo carbono.

O Brasil se comprometeu com índices de redução das emissões de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005 e para isso deverá investir em bioenergia, sendo o etanol combustível seu maior trunfo.

Mais informações na matéria de Elton Alisson | Agência FAPESP

Mais notícias

A bioenergia e a transição da energia limpa mundial

Conclusão é de relatório científico sobre bioenergia e sustentabilidade na América Latina e África. Documento foi lançado em evento na sede da FAPESP e pode ser acessado pela internet

View details »

2017 foi o primeiro ano em que a energia solar gerou mais eletricidade do que o uso de petróleo, carvão e gás somados

O setor de energia solar cresceu 18% em relação ao ano anterior. A China foi a maior investidora.

View details »