Fonte: Gianni Cipriano - The New York Times
Fonte: Gianni Cipriano - The New York Times

Itália cria museu submarino de esculturas para proteger peixes na região da Toscana

Solução inusitada foi encontrada para ajudar na recuperação do meio ambiente da região


Abaixo da superfície do mar mediterrâneo na Toscana existe um museu inusitado. São esculturas esculpidas por artistas famosos em pedras mármore vindas da pedreira que Michelangelo utilizava para fazer suas obras. Mas elas não estão lá por acaso ou caíram de alguma embarcação que navegava pela região. Os blocos de mármore fazem parte de um projeto para proteção da vida marinha, já muito comprometida nesta região da Itália

A função dos blocos é tripla: ser um local de refúgio e desenvolvimento para os peixes, evitar que as redes de pesca ilegais arranquem tudo que existe no mar e trazer turistas para visitar o inusitado museu

A ideia veio de um morador de Talamone, na costa da Itália, chamado Paolo Fanciulli ou Paolo Pescador como todos o chamam por lá. Seu sonho, além de proteger os peixes da região era atrair os turistas para a pequena localidade com menos de 200 moradores. Daí nasceu o projeto Casa dos Peixes, um misto de arte e preservação.

O projeto ganhou corpo ao receber uma doação de 100 blocos de mármore que foram esculpidos por artistas famosos. Paolo tem mais 18 blocos aguardando algum tipo de financiamento para ampliar o museu e, consequentemente, a área de proteção.

Desde que começou o projeto os peixes (e os turistas) vem se multiplicando na região.

NY Times: An Underwater World of Marble to Amuse and Protect Tuscan Fish

Mais notícias

Contrariando políticos, petroleiras e fake news pesquisadores mostram que os recifes da Amazônia existem e estão bem

Os recifes da foz do rio Amazonas, recentemente descobertos, existem e se reproduzem. Região é de interesse de multinacionais da exploração do petróleo.

View details »

Universidade pública brasileira cria sensor de bactérias em alimentos usando veneno de abelha

O detector desenvolvido pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), USP e Embrapa tem tecnologia 100% nacional e é mais rápido do que os métodos atuais para detecção de bactérias

View details »