Pesquisa investiga problemas socioambientais em Guarulhos, Kampala e Sófia

Trabalho conduzido por pesquisadores brasileiros, holandeses e britânicos enfoca o nexo entre três variáveis críticas e interdependentes: água, energia e alimentos


Uma colaboração internacional estuda a relação entre água, energia, alimentos e três cidades de porte médio: Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo; Kampala, capital de Uganda; e Sófia, capital da Bulgária. Em um momento em que os recursos são cada vez mais limitados o estudo da relação entre estes recursos e as periferias de cidades localizadas em países pobres ou em desenvolvimento é essencial.

Segundo Leandro Luiz Giatti, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, Se maior quantidade de água for disponibilizada para as populações, isso impactará negativamente a produção de alimentos e a produção de energia. O mesmo ocorre se cada uma das outras duas variáveis for enfatizada. Isso complexifica a convencional relação de escassez

A colaboração é chamada de ResNexus e congrega pesquisadores da USP e das universidades Wageningen (Holanda) e de Sussex (Reino Unido).

A escolha das cidades leva em consideração o fato de ocuparem as três a faixa de 1 milhão a 1,5 milhão de habitantes, além de apresentarem vários problemas semelhantes.

No Brasil a pesquisa ocorre através de encontros para produzir mapas com o diagnóstico socioambiental dos bairros e, por meio da plataforma Maptionnaire, também o mapa do planejamento.

Mais informações na matéria de José Tadeu Arantes | Agência FAPESP

Mais notícias

Deputado que relata projeto que facilita uso de agrotóxicos tem ligações com empresas do setor.

O site Congresso em Foco investigou o deputado Luiz Nishimori do PR do Paraná e descobriu que empresas que se beneficiarão com a flexibilização das leis que controlam agrotóxicos estão em nome de familiares.

View details »

50% da poluição na cidade de São Paulo vem de ônibus e caminhões segundo pesquisa da USP

Pesquisadores da USP destacam que o valor é muito alto, uma vez que esses veículos representam somente 5% da frota na região metropolitana. Estudo foi publicado na Scientific Reports

View details »