Rede de pesca abandonada no fundo do mar. Extraído de vídeo da FAO
Rede de pesca abandonada no fundo do mar. Extraído de vídeo da FAO

Redes de pesca abandonadas são 10% do lixo nos oceanos

A Organização das Nações Unidas estima que cerca de 10% do lixo despejado nos oceanos é composto por redes de pesca que comprometem a vida marinha.


Todo ano ao menos 640 mil toneladas de redes de pesca são perdidas ou abandonadas nos oceanos. A FAO e a ONU Meio Ambiente estimam que 10% de todo o lixo nos mares seja constituído por esses materiais.

Segundo Luiz Miguel Casarini, do Instituto da Pesca, o Brasil importou um tipo de fibra têxtil sintética da Ásia usada principalmente em pesca industrial que não possui um manejo adequado para seu descarte, ou seja, não existe um programa que recupere as redes antigas para reciclagem. O final destas redes, como se pode imaginar, é o fundo do mar.

As redes abandonadas não são apenas um problema de acúmulo de lixo nos oceanos. Muitos animais marinhos como tartarugas, golfinhos e peixes em geral morrem ao se prenderem nas mesmas. Isso afeta o equilíbrio da vida oceânica e ameaça a segurança alimentar de famílias que vivem da pesca como meio de subsistência além de provocar perdas econômicas.

Apesar dos esforços de ativistas e parte da sociedade o problema persiste. Segundo a FAO os países estão desenvolvendo grandes esforços para melhorar o estoque de peixes, mas esses esforços podem ser prejudicados drasticamente se o impacto da pesca fantasma (peixes capturados por redes abandonadas) continuar a aumentar.

Vídeo da FAO - Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura

Algumas soluções práticas para resolver o problema seriam, ainda segundo a FAO, marcar as redes com a identificação de seus donos, combater a pesca ilegal ( foi estabelecido o chamado Acordo de Medidas de Portos para esse fim ) e criar postos de coleta das redes antigas com incentivo financeiro.

Referência:

Folha de São Paulo - Instrumentos de pesca descartados no oceano são 10% do lixo marinho

EBC - Agência da ONU alerta para perigo de "pesca fantasma"

Mais notícias

A bioenergia e a transição da energia limpa mundial

Conclusão é de relatório científico sobre bioenergia e sustentabilidade na América Latina e África. Documento foi lançado em evento na sede da FAPESP e pode ser acessado pela internet

View details »

2017 foi o primeiro ano em que a energia solar gerou mais eletricidade do que o uso de petróleo, carvão e gás somados

O setor de energia solar cresceu 18% em relação ao ano anterior. A China foi a maior investidora.

View details »