Super coral invade a costa brasileira desde os anos 80

Cientistas investigam os fatores que permitem às colônias de coral-sol se multiplicar com rapidez, tomando o lugar de espécies nativas


Durante os trabalhos de pesquisa na prospecção de petróleo na Bacia de Campos, no final da década de 80, uma nova espécie de coral invasor do ambiente marinho brasileiro havia sido identificado. Desde então o coral-sol vem se espalhando pelos costões das ilhas brasileiras com grande velocidade. Desde então, o coral-sol tem sido registrado em mais de 3 mil quilômetros da costa brasileira, desde Santa Catarina, ao sul, até ao largo do Ceará, mais ao norte.

Antes com grande diversidade de cores e espécies hoje apenas prevalece o coral-sol em inúmeras regiões oceânicas de São Paulo e Rio de Janeiro. O coral invasor avançou de tal forma que nem mesmo a rocha nua é mais vista em várias regiões.

É preciso conter a expansão do coral-sol e evitar que o mesmo ocorra em outras ilhas. Há locais onde o manejo ainda é possível, mas isso requer a retirada manual completa de todas as colônias, alerta Marcelo Kitahara, professor no Departamento de Ciências do Mar da (Unifesp).

Este enorme poder de expansão é explicado por um estudo da bióloga Bruna Louise Pereira Luz, da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e publicado no Journal of Experimental Marine Biology and Ecology e diz respeito a seu alto poder de regeneração.

Caso nada seja feito para deter o seu avanço, acredita-se que o coral-sol tenha potencial para colonizar todo o litoral brasileiro, alerta Kitahara.

Ainda segundo Kitahara o futuro dos os corais nativos da costa brasileira não é dos melhores, ao contrário do coral-sol que vem ganhado as costas brasileiras. De um lado, as mudanças climáticas globais e o aquecimento das águas favorecem o invasor e de outro a exploração comercial das águas que completa a destruição das espécies nativas.

Mais informações na matéria de Peter Moon | Agência FAPESP

Mais notícias

A bioenergia e a transição da energia limpa mundial

Conclusão é de relatório científico sobre bioenergia e sustentabilidade na América Latina e África. Documento foi lançado em evento na sede da FAPESP e pode ser acessado pela internet

View details »

2017 foi o primeiro ano em que a energia solar gerou mais eletricidade do que o uso de petróleo, carvão e gás somados

O setor de energia solar cresceu 18% em relação ao ano anterior. A China foi a maior investidora.

View details »