Universidade pública brasileira cria sensor de bactérias em alimentos usando veneno de abelha

O detector desenvolvido pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), USP e Embrapa tem tecnologia 100% nacional e é mais rápido do que os métodos atuais para detecção de bactérias


Pesquisadores brasileiros de três instituições públicas desenvolveram um biosensor para detectar bactérias em alimentos, bebidas e futuramente até em ambientes hospitalares e de instrumentação médica.

A pesquisa, toda desenvolvida dentro do país e coordenada pelo professor Osvaldo Novais de Oliveira Junior do Instituto de Física de São Carlos, usa um composto retirado do ferrão de abelhas e através de métodos utilizando nanopartículas de ferro.

A técnica faz com que as bactérias interajam com o ferro e assim, através de campos eletromagnéticos, seja possível atrair estas bactérias e medir sua concentração

A técnica é mais barata e eficiente (resultado obtido entre 10 e 25 minutos) do que os métodos atuais (levam entre 24 e 72 horas) além de necessitar de menores quantidades de material para efetuar a detecção.

Atualmente a pesquisa avalia a detecção de bactérias Escherichia coli, Staphylococcus aureuse e Salmonella typhimurium em amostras de água, suco, leite e ovos.

Segundo o professor Oliveira o teste custará em torno de R$0,30.

Em um momento em que a Embrapa e as universidades públicas estão sob forte ataque e correm riscos enormes a notícia de pesquisas como esta são um alento e, ao mesmo tempo, um chamado para luta em favor da educação e da ciência

Sensor usa molécula do ferrão de abelha para detectar bactérias em alimentos e bebidas

Mais notícias

Fonte: Gianni Cipriano - The New York Times

Itália cria museu submarino de esculturas para proteger peixes na região da Toscana

Solução inusitada foi encontrada para ajudar na recuperação do meio ambiente da região

View details »

Contrariando políticos, petroleiras e fake news pesquisadores mostram que os recifes da Amazônia existem e estão bem

Os recifes da foz do rio Amazonas, recentemente descobertos, existem e se reproduzem. Região é de interesse de multinacionais da exploração do petróleo.

View details »