A fábula do lixo que se multiplicava

Não somos mágicos e nem Reis de fábulas antigas, mas temos o incrível dom de transformarmos tudo que tocamos em lixo.

Lembram da história do Rei Midas, ganancioso como nenhum outro e que conseguia por meio de um desejo, que tudo que tocasse virasse ouro, inclusive a própria comida?

Pois bem, o homem moderno não deixa nada a desejar para o tal rei. É individualista, deseja que todas as coisas trabalhem para o seu próprio conforto e é acima de tudo ganacioso. Uma das maldições deste "rei" moderno é que tudo que toca se transforma também, mas não em ouro, e sim em lixo! Sim! Tudo é convertido em lixo e é esta a maldição que carregamos conosco.

Esgoto nos rios, gases tóxicos e poluentes na atmosfera, lixo em todos os lugares. Um simples lanche pode gerar tanto lixo quanto gerações anteriores nunca imaginariam. Tudo isto possui um custo, que hoje é ignorado pelas pessoas, afinal não é problema delas não é? Vem o caminhão de lixo e leva tudo para longe, a descarga carrega o que não presta e vamos assim vivendo. Para onde vai tudo isto? Quem se importa!? Esgotamento dos recursos naturais? Que besteira! O mundo é muito grande! Sempre terá mais matéria prima para criar ainda mais lixo...ou será que não?

A era do descartável talvez tenha sido um dos maiores erros da humanidade, pois não só as coisas físicas são descartáveis hoje como as idéias também.

Assim, em meio ao exército de lobotomizados, vamos caminhando a passos largos para nossa própria destruição. O que faremos para sair e tentar mudar as coisas? Vamos adotar o velho comodismo de sempre e nos mexer quando as coisas ficarem de maneira que nada mais se possa fazer ou prestar atenção para o que ocorre agora?

Para aqueles que desejam um futuro, que desejam poder sentar debaixo de uma árvore para repousar e não sentir o suave aroma do lixo, aqueles que amam nosso planeta, já que é aqui que seremos obrigados a ficar até o final de nossos dias, para aqueles que pensam nas gerações que virão, mexam-se! Reciclem o máximo que puderem, inclusive suas idéias!

Assim como o Rei que tudo transformava em ouro, até a própria comida, e acabou morrendo de fome, desejo um futuro em que não precisemos comer o produto de nosso lixo ou talvez morrer por decorrência deste. Mas para construirmos coisas belas, nunca necessitamos de mágica e sim de nossa espantosa criatividade e consciência de nós mesmos. Logo seria tão complicado mudarmos um atitude em troca de um futuro?

No próximo artigo, vamos dar maiores detalhes sobre o quanto é caro aquilo que chamamos de lixo e como podemos diminui-lo.

Autor(a)

Daniel Pereira

Formado em Física / Astrofísica pela Universidade de São Paulo. Fez cursos nas faculdades de Filosofia, Geologia e Matemática na Universidade de São Paulo. Fez cursos na área de artes plásticas e história da arte no Centro Cultural São Paulo. Também frequentou o curso de Introdução a Psicanálise pelo Instituto Sedes Sapientiae. Atua na área de tecnologia e web desenvolvendo soluções voltadas para várias áreas do conhecimento, incluindo pesquisa com redes sociais. Atualmente atua para um grande portal de notícias.

Contato

danielusp@bol.com.br
@sermelhor
https://www.facebook.com/sitesermelhor

Revisão

Fabíola Piovesan - revisora de textos free-lancer, graduada em Letras - Português pela PUC-SP, participação do curso de extensão: "Preparação e revisão: o texto em foco" pela Editora UNESP. E-mail de contato: fapiovesan@yahoo.com.br


Veja Também