Eu sou jovem e você?

A nossa idade não é traduzida unicamente pelo nosso registro cronológico, nem por nossa aparência. Pode ser reflexo de nosso estado de espírito, portanto, não envelhecer é possível.

De acordo com a Constituição Brasileira, declarado no Estatuto da Criança e do Adolescente, juventude é uma fase que vai dos 12 aos 18 anos. A Organização das Nações Unidas delimita outra faixa etária compreendida entre os 15 e 24 anos, período entendido como intermediário entre a infância e a maioridade.

Porém, muitas pessoas relacionam, ainda, a jovialidade com a aparência física do indivíduo, dizendo-se jovem aquele que se assim se demonstra fisicamente.

Contudo, juventude pode ainda ser considerada como um estado de espírito, indo além da faixa etária em que o individuo se encontra. Neste caso, compreende-se a juventude como uma qualidade ou habilidade adquirida.

Ser jovem é ser intenso, corajoso e audacioso. Lutando pela realização de seus sonhos sempre. Sendo firme em seus propósitos e destemido quando precisar recomeçar.

Neste contexto, subentende-se que a juventude não acaba com as rugas, pois só o corpo envelhece o espírito pode permanecer jovem, se essa for a vontade do indivíduo.

É necessário continuar a querer viver, ter sempre um ideal de vida, continuar lutando pelos sonhos e sonhar sempre. As preocupações tolas, o desespero infundado e os medos contribuem para o envelhecimento do espírito, criando rugas onde não é possível reformar com uma cirurgia plástica.

O corpo físico é apenas um invólucro natural de nossa essência espiritual, contudo precisa ser cuidado e preservado com atitudes racionais e hábitos saudáveis que prolonguem a vida com dignidade, para que se possa usufruir da jovialidade em um corpo não tão jovem, mas bem cuidado.

Ao permanecer jovem não perdemos o encanto da vida, nos libertamos de velhos padrões, quando estes já não nos servem mais, conseguimos continuar aprendendo sempre, inovando ao mesmo tempo em que mantemos o respeito pelos outros e por aquilo que não se muda, como a ética, por exemplo, que nunca sai de moda, nem será considerada retrograda.

Assim, compreende-se que ser jovem depende da gente, de querer sê-lo, levando a vida a sério com respeito aos demais, mas sem deixar-se levar pelo exagero da seriedade. O importante é continuar receptivo a tudo o que de bom a vida oferta, agradecendo ao Criador pelo dom da vida e por tudo o que ela nos oferece todos os dias.

Autor(a)

Claudete Likes Penteado

Bacharel em Economia Doméstica pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE.

Contato

claudete@sudonet.com.br


Veja Também