Ser Útil ou Ser Necessário: a diferença entre o profissional motivado e aquele que apenas faz a sua parte.

Créditos da imagem: photl.com
Créditos da imagem: photl.com

Um bom gestor reconhece a verdadeira importância das pessoas que compõem sua equipe demonstrando que mais do apenas serem úteis para a realização de um objetivo, elas são necessárias para o sucesso da organização. Uma equipe motivada é feita de pessoas conscientes de sua importância e reconhecidas por isso.

Durante muito tempo da minha vida, especialmente na adolescência, enquanto eu estava me divertindo com amigos, família ou fazendo atividades que me davam prazer, vi muitas pessoas abdicarem do que as satisfazia para dedicar enorme esforço a serem úteis para alguém e, inúmeras vezes, ouvi que "para ser feliz, uma pessoa precisa ter alguma utilidade!".

Assim, a primeira vista, parece mesmo algo coerente. Quem consegue ser feliz não tendo utilidade? O problema é que crescemos com esta crença e, partindo dela, fazer o que gostamos e nos diferencia, passa a ser secundário. O que importa mesmo é ter utilidade!

Mas a utilidade conjuga o verbo "estar" e não "ser". Ela é pontual, temporária, não está ligada a existência, portanto é um sentir passageiro, tanto para quem é "usado" como para quem "utiliza". Sendo assim pergunto a você, por que ser simplesmente útil? Se quando fazemos aquilo que gostamos e em que realmente acreditamos passamos a ser tão bons que nos tornamos necessários?

Útil é aquela batedeira que até facilita o seu trabalho de bater um bolo, mas se você não possuísse uma, não tinha problema, bateria com a mão ou, quando sua vida útil acabasse, você poderia comprar uma nova que faria exatamente a mesma coisa: bater o bolo!

Pessoas "são"! Pessoas diferentes fazem exatamente a mesma coisa, mas, ao contrário das batedeiras, elas fazem a mesma coisa de formas diferentes, dando um toque especial que as faz necessárias. E quando percebem ser necessárias, satisfazem-se e querem de novo, por isso, esforçam-se mais para continuar "sendo".

Após algumas conversas com empresários e gestores a respeito do tema "ser necessário" percebi que ainda existe, por parte de alguns, o temor de que o colaborador, sentindo-se necessário, sinta-se insubstituível. O que normalmente respondo é que, ser necessário nada tem a ver com ser insubstituível! Tem a ver sim com ser, verdadeiramente, importante!

Se você é gestor, experimente estimular nas pessoas o sentimento de ser necessárias para um projeto, conheça verdadeiramente sua equipe e deixe-os saber a importância de cada um. Verá que assim, terá uma equipe muito mais engajada e comprometida com os resultados!

Autor(a)

Wilna Lima

Consultora em Recursos Humanos. Graduada em Gestão de RH pela Universidade Estácio de Sá, com formação em Consultoria Empresarial Externa e Interna pela GFV, cursando MBA em Gerenciamento de Projetos.

Professional Coach e Analista Comportamental DISC, com certificação internacional e membro da Sociedade Latino Americana de Coaching.

Experiência de mais de 7 anos na implantação e gestão de RH em empresas de médio e grande porte.

Contato

wilnalima@gmail.com / Skype: wilna-lima


Veja Também